Crescimento das Big Techs

Big Techs: por que elas crescem tanto?

O segundo trimestre não foi nada triste para as Big Techs. Ainda no começo de agosto, algumas delas como Google, Amazon, Facebook e Apple divulgaram os seus resultados, e o que não nos espanta, é que todas conseguiram superar suas metas. Hoje, viemos aqui para refletir, e entender um pouco, sobre o porquê dessas empresas crescerem tanto.

O que são Big Techs?

Antes de mais nada, precisamos entender o conceito. Big Techs são as maiores empresas de tecnologia do mundo. Todas são listadas na bolsa de valores americana, e apresentam faturamentos astronômicos. Além das empresas que citamos acima, também consideramos como Big Techs a Microsoft – que tem se renovado muito nos últimos anos – a Netflix, e algumas empresas chinesas como a Alibaba.

Entendendo o valuation de grandes empresas

Como é o crescimento das Big Techs?

Recentemente, vimos essas empresas apresentando um resultado muito surpreendente. Todas tiveram um crescimento contrário às economias globais – principalmente em tempos de pandemia, onde a maioria de seus produtos e serviços foram alavancados, por conta das plataformas digitais.

A Amazon, por exemplo, é uma empresas que teve um crescimento de 40% no trimestre, sendo um grande destaque para todo o mercado. Os principais fatores que impulsionaram a empresa nos últimos meses foram desde o seu marketplace com o dobro de lucro, até o aumento de assinantes em serviços como o Amazon Prime. Quanto mais digitalizado o consumidor, melhor.

Ecossistema Empreendedor: Como funcionam?

Os princípios da Amazon funcionam?

Mas por que elas crescem tanto?

Bom, em primeiro lugar, temos que pensar no que as Big Techs nos oferecem. Todas elas, disponibilizam serviços que antes não eram democratizados, além dos valores super competitivos. Pensemos no Google, que nos oferece o Gmail com diversas features, desde o Meet, até o Planilhas, Apresentações, Drive, etc. Softwares que antes eram cobrados por licença – e por um valor bem alto.

O sucesso vem muito da visão do empreendedor em identificar essas dores no mercado, e encontrar maneiras de solucioná-las. A maioria dos fundadores das Big Techs não foi o first mover no mercado. Antes do Google, existiam outras ferramentas de busca, antes do Facebook, existiam outras redes sociais, e antes da Amazon, existiam outros marketplaces. A questão que temos que olhar é, como essas empresas, em um mercado onde a concorrência é muito acirrada, conseguiram se diferenciar e se tornar muito competitivas.

Elon Musk: o que podemos aprender com ele?

Tudo bem errar

Quem vem de um ambiente inovador – startups, geralmente – sabe que a “cultura do erro” é muito presente. Antes de mais nada, cultura do erro não significa exaltar os erros, mas sim, criar um ambiente onde os colaboradores e equipes possam se sentir livres para errar e aprender com cada experiência. É assim com as Big Techs. Quantas vezes já não vimos produtos e serviços sendo lançados, e que muitas vezes, não deram em nada? Para ter a quantidade de acertos que eles têm, é preciso também que se erre muito.

Vem acompanhar mais sobre esse debate ouvindo o episódio do podcast. É só apertar o play!

Compartilhe este conteúdo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram