Devo contratar um advisor para ajudar no M&A da minha startup?

Após alguns anos desenvolvendo sua startup, motivações internas e externas levam o empreendedor a buscar a rota de M&A como a sua próxima estratégia. A partir dessa decisão, muitas dúvidas e receios costumam surgir pelo fato de ser um processo complexo e difícil, no qual é necessário bastante energia dedicada para fazer o deal acontecer. Em meio a tantas dúvidas, uma em comum surge em muitos empreendedores: devo fazer o M&A sozinho ou com o apoio de um advisor, ou o chamado assessor financeiro?

 

O fato é que há empreendedores que conseguem tocar todo o processo de venda da sua startup sem o apoio de um advisor, mas esses casos não são maioria. O mais comum é contar com o apoio dos seus investidores ou de um assessor financeiro especializado e com track-record em M&A de startups. 

 

>> Como saber se minha startup está pronta para o exit? <<

 

Aqui na ACE, por exemplo, apoiamos nosso portfólio de investidas neste processo, mas, também, atuamos junto às startups que não foram investidas por nós em sua jornada rumo ao exit como assessores financeiros.

 

No processo de M&A há uma clara assimetria entre o empreendedor e o comprador. Enquanto o primeiro, se bem sucedido, fará 2 a 3 transações de M&A ao longo de sua jornada, o comprador, por sua vez, faz um volume muito superior de operações. Tal fato, traz um considerável risco ao empreendedor de destruir valor por falta de expertise e por inexperiência na condução do processo. 

 

Além dos fatores negociais que permeiam o deal, conciliar o M&A com o dia-a-dia da operação é um verdadeiro desafio. Se mal conduzido, a transação pode ser um relevante desvio de atenção aos fundadores, impactando negativamente os resultados operacionais da startup, o que, no limite, pode não só destruir valor como até mesmo inviabilizar o fechamento da operação.

Diante deste contexto que o apoio de um advisor entra em cena de modo a contribuir na construção e execução de estratégias de liquidez para os founders. 

 

Um bom advisor atua como um grande facilitador do processo, garantindo melhores e mais produtivas interações entre as partes, o que possibilita que o processo corra de maneira mais fluida e com menos fricções. Outro ponto de destaque é que, com incentivos bem alinhados, um bom advisor contribui diretamente na maximização do valuation da startup e, também, garantindo a negociação dos termos-chave além do preço, como governança no pós-deal, retenção de pessoas-chave, período de permanência dos founders, metas adicionais ao preço pago, entre outros fatores.

 

>> Como funciona uma negociação de M&A na prática? <<

 

Mais do que negociar uma proposta de M&A, um bom advisor é aquele que se envolve em diversas etapas, da preparação à integração. No esquema abaixo, resumimos as etapas típicas de um processo de M&A e suas durações médias. 

 

>> Os envolvidos no exit: o buy e o sell-side <<

 

Uma outra vantagem prática é o apoio na elaboração de variados materiais que permeiam o deal, entre eles:

 

  • Estudo de mercado e cadeia de valor: estudo das teses de rotas de saída, que visa responder para quem, e por que a transação pode fazer sentido para diferentes players da cadeia de valor que a startup está inserida. Esse estudo é um grande guia para as demais ações.
  • Hitlist: mapeamento dos potenciais compradores a partir das teses de saída.
  • Teaser: documento estratégico, onde não é revelado o nome da empresa, que é enviado aos potenciais compradores, abordando as informações chaves da startup de modo a despertar o interesse de outros possíveis parceiros.
  • NDA (non-disclosure agreement): documento que é assinado entre as partes para garantir o sigilo e a confidencialidade das informações trocadas. Sinaliza um potencial interesse por parte do comprador.
  • Modelo Financeiro: documento que reúne os principais aspectos financeiros,  operacionais e premissas de crescimento do negócio, o que serve de base para diferentes metodologias de valuation.
  • CIM (confidential information memorandum): é um documento que detalha todas as informações estratégicas, financeiras, de mercado, do produto e time, com o objetivo de passar uma visão completa da operação para o potencial comprador.

 
Vale destacar que esses não são os únicos documentos que o advisor pode vir a elaborar, existem outros, como a process letter, desenho dos mecanismos de earn-out, entre outros. 

 

>> Tenho um potencial comprador! O que abrir de informação e quando? <<

 

Além de todo esse trabalho de setup dos materiais, o advisor exerce um papel-chave de apoio na tomada de decisões durante todo o deal. Muitas vezes, o founder é um ótimo líder, conhece toda a parte técnica de sua operação, porém, falta expertise para levar a negociação por um caminho em que ambas as partes se sintam confortáveis e, também, um equilíbrio entre a parte emocional e racional por trás do deal.

 

Por fim, caso a decisão de contratar um advisor seja tomada, é recomendado entender o que procurar em um, para que não haja uma experiência negativa. Abaixo, reunimos algumas recomendações para fazer a melhor escolha:

  • Busque um advisor que entenda você e suas necessidades, sua companhia e suas expectativas durante o M&A.
  • Leve em consideração o track record. É fundamental entender se aquela firma tem sua reputação comprovada dentro do mercado.
  • Procure entender quais são as experiências que o advisor possui no seu setor de atuação, bem como sua rede de contatos. 
  • Tenha certeza que o advisor vai trabalhar para chegar no seu IAP (ideal acquirer profile), e não somente naquele player que é o mais fácil para ele.
  • Busque aquele que te passa confiança e que você enxergue como um parceiro muito além do deal. Afinal, é comum um processo de M&A durar entre 6 e 18 meses.

 

Em nossa visão, um bom advisor pode ser crucial para o M&A bem-sucedido de sua startup, portanto, use o tempo que precise para avaliar quem possui o know-how necessário para buscar o exit que melhor atenda a você, seus sócios, seus clientes, fornecedores e parceiros.

 

Se você deseja entender melhor como a ACE pode te ajudar no M&A de sua startup, basta visitar nossa página e falar com um especialista no assunto.

 

Compartilhe este conteúdo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram